Tradutória

Reflexões sobre a Tradução. Confira aqui dicas sobre livros, internet, dicionários, tudo para ajudar o tradutor e um pouco de literatura em geral.

E-mail de atendimento.

segunda-feira, maio 31, 2004


[8:21 AM]

O tradutor Danilo Nogueira, atendendo à solicitação de duas aspirantes a tradutores, na lista de discussão Trad-Livros, fala sobre o trabalho do tradutor e dá algumas dicas de cursos e leitura na área.
Danilo Nogueira é tradutor profissional em tempo integral desde 1970. Logo especializou-se nas áreas de contabilidade, auditoria, finanças, direito societário e tributário. Tem numerosos trabalhos publicados, no Brasil, Estados Unidos, Reino Unido e Hungria, muitos deles no Translation Journal (www.accurapid.com/journal)
Aqui está o texto, na íntegra:

"Duas futuras colegas escrevem, ambas em situação semelhante: estão fazendo cursos de letras e estudando inglês "por fora" e querem ser tradutoras. As duas pedem sugestões de cursos e leitura, o que indica que ambas se dão conta de que para traduzir é necessário saber algumas coisas além de conhecer bem duas línguas. Posso dizer, com satisfação, que já sabem muito mais do que eu sabia quando comecei. Na minha santa ingenuidade, eu achava que traduzir era só pegar o livro e tocar para a frente.

Além do que já se disse a elas, vale a pena lembrar que a profissão hoje é altamente segmentada, pelo menos quando se trata de inglês e que quem trabalha com filmes raramente trabalha com texto escrito e mesmo quem trabalha com dublagem muitas vezes não chega perto de legendagem e vice versa. Entre os que fazem escrito, tem os que fazem literária, tem os que fazem técnica, que, por sua vez, se subdivide em mil subsetores. E tem a turma que faz ciências humanas, importante, mas que nem é bem técnica nem bem literária, fazendo uma ponte entre ambas.

Tem os que fazem livros, um segmento cuja participação no mercado diminui cada vez mais, tem os que não fazem livros, há muitos anos a maioria esmagadora.

Que caminho tomar? Não é fácil escolher e, de qualquer modo, há sempre uma interação entre as nossas habilidades e o mercado. Não adianta, por exemplo,você querer se especializar na tradução de poesia inglesa dos tempos do "middle English", se não houver quem queira publicar esse tipo de material. Também não adianta querer fazer tradução simultânea se você não tiver profundo domínio do inglês aural (por exemplo, entender o que diz um médico japonês meio gago que aprendeu todo seu inglês no Japão ou, para não sairmos dos "natives" um cientista escocês, quando você aprendeu seu inglês vivendo em Los Angeles cinco anos.)

Traduzir é conviver com o inesperado. Se você for ensinar inglês, vai dizer "Ih, que horror, tenho de preparar o present perfect para aquela 7ªC, que horror". Se for traduzir, jamais vai saber o que te espera quanto o telefone toca. A gente se acostuma, claro e eu acho muito divertido, mas é bom saber que "preparação" não existe. Mesmo no meu caso, que estou fazendo sempre as mesmas coisas há mais de 30 anos, é uma surpresa atrás da outra. Os
horários, também, são endiabrados. O cliente avisa que vai mandar na quarta, manda na sexta, pede para a segunda. A impressão que se passa aos alunos nas faculdades de tradução (que, entendo, nenhuma das duas futuras colegas está cursando) é de uma profissão altamente meditativa, mas, na verdade, é um servicinho turbulento.

Além do que já foi recomendado (coisas boas, todas) podíamos recomendar mais uma centena de bons livros, mas há um limite para o que vocês podem absorver, assim, de primeiro gole. Por isso, não vou recomendar mais livro algum. Mas acho importante mencionar o problema da informática. Nossa profissão hoje exige alta tecnologia e não importa que computador vocês tenham, é melhor programar um upgrade. Também é bom aprender a fazer tudo o que o Word for Windows permite. Ajuda uma barbaridade.

Boa sorte a ambas e todos os que querem ingressar na profissão através do estudo e esforço. De minha parte, quem vem com esse espírito, é bem vindo".
Cursos de formação de tradutores:
http://www.dbb.com.br
http://www.logos.it/pls/dictionary/linguistic_resources.traduzione_bp?lang=b
*Não posso dizer sobre a confiabilidade de tais cursos, estes links foram indicados por colegas tradutores que fazem parte da lista de discussão TRADINFO.


Postado por Jim |
Speak Out!



 

::Arquivos::